Orações relativas na língua portuguesa dos séculos XVII e XVIII: uma descrição da ordem

Autores

  • Edivalda Araújo Universidade Federal da Bahia
  • Clézio Gonçalves UFOP

DOI:

https://doi.org/10.13102/cl.v24i2.10169

Palavras-chave:

Diacronia, Sintaxe, Oração relativa, Ordem das palavras, Língua Portuguesa

Resumo

O trabalho de Ribeiro (1993) traz uma nova perspectiva de análise em relação ao português arcaico ao considerar a possibilidade de uma ordem V2 em línguas românicas, principalmente nos períodos pretéritos. Seguindo, inicialmente, essa proposta, tem-se a pretensão neste trabalho de descrever a ordem das orações relativas em dados da língua portuguesa dos séculos XVII e XVIII de modo a identificar a posição do verbo e os elementos sintáticos em seu entorno. Outros estudos foram considerados de valioso suporte para a descrição dessa ordem, como o de Galves e Paixão de Sousa (2017) e o de Antonelli (2020). Os dados analisados confirmam uma tendência V1 nas orações relativas, mesmo em construções em que o pronome relativo não é o sujeito. Além disso, observa-se, nesse contexto, uma mudança na preferência da ordem em relação ao sujeito: de anteposto no século XVII para posposto no século XVIII.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Edivalda Araújo, Universidade Federal da Bahia

Professora Associada, atuante na área de Língua Portuguesa do Instituto de Letras da Universidade Federal da Bahia; pesquisadora integrante do grupo de pesquisa Prohpor.

Clézio Gonçalves, UFOP

Professor Associado, atuante na área de Língua Portuguesa no Departamento de Letras da Universidade Federal de Ouro Preto – Campus de Mariana; líder do Grupo de Pesquisa em Dialetologia e Sociogeolinguística (GPDS – UFOP); integrante do POSDELET; pesquisador bolsista nível 2 do CNPq; membro da Comissão de Avaliação do IV Simpósio Nacional de Dialetologia e Sociogeolinguística e IV Colóquio Nacional de Dialetologia e Sociogeolinguística, evento do Grupo de Pesquisa em Dialetologia e Sociogeolinguística (GPDS-UFOP).

Referências

ANTONELLI, André. The partial V2 system of classical Portuguese. In: Forum Linguistic, Florianópolis, v. 17, n. 4, p. 5398-5415, out./dez. 2020.

ARCHIVO Nacional. Documentos Históricos. Provedoria da Fazenda de Santos: I. leis, provisões, alvarás, cartas e ordens reaes; II. Livro da Junta de Arrecadação da Fazenda Real. 1744-1788. Rio de Janeiro: Augusto Porto & C, 1928. Collecção N. 445. v. II.

ARCHIVO Nacional. Documentos Históricos. Provedoria da Fazenda Real de Santos: leis, provisões, alvarás – cartas e ordens reaes -. 1689-1744. Rio de Janeiro: Braggio & Reis, 1928. Collecção N. 445. v. I.

BIBLIOTHECA Nacional. Documentos Históricos. Correspondência dos Governadores Geraes: Conde de Castello Melhor, Conde de Athouguia, Francisco Barretto. 1648-1661. Rio de Janeiro: Augusto Porto & C, 1928. v. III da série e I dos Documentos da Bibliotheca Nacional.

CHOMSKY, N. The language capacity: architecture and evolution. Psychon Bull Rev 24, p. 200–203, 2017. https://doi.org/10.3758/s13423-016-1078-6

COSTA, João. Word Order and Discourse-Configurationality in European Portuguese. In: COSTA, João (ed.) Portuguese Syntax: new comparative studies. New york: Oxford University Press, 2000. p. 94-115

DUARTE, Maria Eugênia. Termos da Oração. In: VIEIRA, Sílvia Rodrigues; BRANDÃO, Sílvia Figueiredo. Ensino de gramática: descrição e uso. São Paulo: Contexto, 2007.

GALVES, Charlotte; PAIXÃO DE SOUSA, Maria Clara. The change in the position of the verb in the history of Portuguese: subject realization, clitic placement, and prosody. In: Language, v. 93, n. 3, p. 152-180, 2017.

KAYNE, Richard. A note on some even more unusual relative clauses, New York University, dez/2015.

LIMA, Rocha. Gramática normativa da língua portuguesa. 49. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2011. 1ª edição em 1957.

MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia de. O português arcaico: fonologia, morfologia e sintaxe. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2015.

RADFORD, Robert. Minimalist syntax. 2006. Revisited. Disponível em: https://www.public.asu.edu/~gelderen/Radford2009.pdf

RIBEIRO, Ilza. As sentenças relativas. In: LUCCHESI, Dante; BAXTER, Alan; RIBEIRO, Ilza. (Org.) O português afro-brasileiro. Salvador: EDUFBA, 2009. p. 185-208.

RIBEIRO, Ilza. Fenômeno V2 no português antigo. In: Anais do VII Encontro Nacional da Anpoll, Goiânia: ANPOLL/UFG, p. 903-915, 1993. v. 2

RIBEIRO, Ilza. A Obra Pedagógica de João de Barros: a sintaxe da ordem nas sentenças subordinadas. In: MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia; MACHADO FILHO, Américo. (Org.). O português quinhentista: estudos linguísticos. Salvador / Feira de Santana: EDUFBA / UEFS, 2002. p. 61-82.

RIZZI, Luigi. The fine structure of the left periphery. In: HAEGEMAN, Liliane. (Org.) Elements of grammar: handbook of generative syntax. London: Klwer Academic Publishers, 1997. p. 281-337.

ROBERTS, Ian. The C-Systen in brythonic celtic languages, V2 and the EPP. In: RIZZI, Luigi. (Org.) The Structure of CP and IP: the cartography of syntactic structures. Oxford: Oxford University Press, 2004. v. 2, p. 297-328.

Downloads

Publicado

2024-04-04

Como Citar

Araújo, E., & Gonçalves, C. (2024). Orações relativas na língua portuguesa dos séculos XVII e XVIII: uma descrição da ordem. A Cor Das Letras, 24(2). https://doi.org/10.13102/cl.v24i2.10169