Abolição e República: o Governo Provisório do Maranhão por Astolfo Marques

Autores

  • Gardênia Sousa Silva Queiros Universidade Federal do Maranhão
  • Cristiane Navarrete Tolomei

DOI:

https://doi.org/10.13102/cl.v24i1.9353

Palavras-chave:

Abolição, República, Literatura Maranhense

Resumo

Este trabalho nasce das discussões sobre o período pós-colonial do Maranhão retratado por obras literárias que circularam durante a Primeira República. Ao perceber que a obra A nova aurora (1912), de Raul Astolfo Marques, apresenta uma narrativa concisa sobre os eventos após a proclamação da república no Maranhão, surge o interesse em compreender como o autor consegue, através da obra, elucidar ações do primeiro governo provisório do Maranhão na Primeira República que desconstroem a ideia de abolição da escravidão. De modo geral, a pesquisa objetivou realizar uma leitura crítica da obra à luz da decolonialidade, com os objetivos específicos de investigar as atitudes do povo na obra diante da junta de governo; identificar as denúncias na narrativa acerca do governo provisório no Maranhão; e evidenciar os contrastes que se estabelecem entre as ideias de abolição e república.  Dessa forma, este estudo utilizou da pesquisa exploratória e descritiva, documental e bibliográfica em virtude da análise do corpus ao partir da perspectiva contextualista para concluir que A nova aurora possibilita a visualização do momento histórico da ação da junta governativa do Maranhão a partir da perspectiva do povo, evidenciando as torturas destinadas a eles através de denúncias testemunhadas ou ouvidas nas ruas por personagens e comentários do povo aterrorizado, possibilitando um contraste significativo entre as ideias repassadas para o povo sobre abolição e república, mas que na prática aconteciam de forma distinta, assemelhando-se ao regime autoritário escravocrata em que poucos possuíam a liberdade e castigavam o povo a seu modo.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Referências

CANDIDO, A. Literatura e Sociedade. ed. 9. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2006.

MARQUES, R. A. A nova aurora: novela maranhense. São Paulo: Chão Editora, 2021.

MARQUES, R. A. O Treze de Maio: e outras histórias do pós-Abolição. Org. Matheus Gato. São Paulo: Fósforo, 2021.

MIGNOLO, W. D. Colonialidade, o lado mais escuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 32, n. 94, p. 1-18, 2017. Tradução de Marco Oliveira.

MIGNOLO, W. D. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF. Dossiê: Literatura, língua e identidade. n. 34, p. 287-384, 2008. Tradução de Ângela Lopes Norte.

PACOTILHA: Jornal da Tarde. Maranhão, 2 mar. 1908. Disponível em: http://bndigital.bn.br/acervo-digital/pacotilha/168319. Acesso em: 12 jan. 2022.

Downloads

Publicado

2023-07-18

Edição

Seção

Dossiê - Ressignificações do passado da América: vias para a descolonização e o pensamento decolonial na literatura e na tradução literária