A tradução como prática decolonial: um espaço de enunciação às vozes esquecidas em Columbus and Beatriz (1892), de Constance Goddard Dubois

Autores

  • Amanda Maria Elsner Matheus Unioeste
  • Ana Maria Klock Unioeste
  • Hugo Eliecer Dorado Mendez Unioeste

DOI:

https://doi.org/10.13102/cl.v24i1.9357

Palavras-chave:

Decolonialidade, Prática tradutória decolonial, Romance Histórico Tradicional

Resumo

O romance Columbus and Beatriz (1892), de Constance Goddard DuBois, é de grande relevância para a História da Literatura Americana, pois, conforme menciona Fleck (2008), figura como a primeira obra de autoria feminina no conjunto de obras romanescas que constituem a “Poética do ‘descobrimento’”. Além disso, destaca-se pelo fato de haver sido escrita no contexto do século XIX, período em que o espaço literário era, mais do que hoje, um reduto exclusivamente masculino. A obra de DuBois (1892) evidencia o labor de uma autora que, pela arte literária, resgata a imagem de Beatriz Enríquez de Harana, personagem de extração histórica ignorada pela historiografia tradicional. Desse modo, a autora promove a primeira “ruptura” ideológica com relação às premissas efetivadas anteriormente, que enalteciam Cristóvão Colombo como modelo de self made man para a nação estadunidense. No presente artigo almejamos, portanto, abordar a potencialidade da tradução de Columbus and Beatriz (1892) no Brasil, buscando discutir como o processo tradutório possibilita a desestabilização dos campos discursivos e ideológicos e, consequentemente, das estruturas da colonialidade. Por conseguinte, esse artigo conta como suporte teórico Mignolo (2000), Santiago (2000), Tedeschi (2016), Fleck (2017),  entre outros teóricos fundamentais para a tradução como práxis decolonial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

COOPER, J. F. Mercedes of Castile: Or, the voyage to Cathay. 1. ed. Boston: Apollo Press, 1792.

DUBOIS, C. G. Columbus and Beatriz. Chicago: A. C. McClurg and Company, 1892.

FERNÁNDEZ ÁLVAREZ, M. Casadas, monjas, rameras, y brujas: la olvidada historia de la mujer española en el Renacimiento. Madrid: Espasa Calpe, 2002.

FLECK, G. F. O romance, leituras da história: a saga de Cristóvão Colombo em terras americanas. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Ciências e Letras. Assis, 2008.

FLECK, G. F. O romance histórico contemporâneo de mediação: entre a tradição e o desconstrucionismo – releituras críticas da história pela ficção. Curitiba: CRV, 2017.

GOLUBOV, N. La crítica literaria feminista: una introducción práctica. México, D.F.: UNAM, 2012.

GROSFOGUEL, R; MIGNOLO, W. Intervenciones Descoloniales: una breve introducción. Tabula Rasa, Bogotá, n. 9, p. 29-37, jul./dez. 2008.

IRVING, W. Vida del almirante Cristóbal Colón. Trad. José García Villata & N. Fernández Cuesta, Madrid: Istmo, 1987.

LORGUES, R. Historia de Cristóbal Colon y de sus viajes (Tomo I). Trad. Mariano Juderias. 2. ed. Espanha: Eduardo Gautier Editor, 1858.

MÁRQUES RODRÍGUEZ, A. Historia y ficción en la novela venezolana. Caracas: Monte Ávila, 1991.

MIGNOLO, W. Historia globales / Proyectos globales. Colonialidad, conocimientos subalternos y pensamiento fronterizo. Madrid: Akal, 2000.

MIGNOLO, W. El pensamiento descolonial, desprendimiento y apertura: un manifiesto. In:

MIGNOLO, W. La idea de América Latina: La herida colonial y la opción decolonial. Trad. Silvia Jawerbaum e Julieta Barba. Barcelona: Gedisa, 2007.

MOURA, S. M. S. R. de; ARAUJO, M. de F. A maternidade na história e a história dos cuidados maternos. In: Psicologia, Ciência e Profissão. [online]. 2004, vol.24, n.1, pp.44-55. ISSN 1414-9893. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/pcp/v24n1/v24n1a06.pdf. Acesso em: 18 mar 2023.

MUSICK, J. R. Columbia: a story of the discovery of America. 1. ed. New York: Funk & Wagnalls Company, 1892.

SANTIAGO, S. Uma literatura nos trópicos. Rio de Janeiro: Rocco, 2000.

SCOTT, J. História das mulheres. In: BURKE, P. (org.). A escrita da história: novas

perspectivas. Trad. Magda Lopes. 3. ed. São Paulo: Ed. UNESP, 1992.

SHARPE, J. A história vista de baixo. In. BURKE, Peter (org.). A escrita da história: novas perspectivas. Trad. Magda Lopes. 3. ed. São Paulo: Ed. UNESP, 1992.

SHOWALTER, E. A crítica feminista no território selvagem. In: HOLLANDA, H. B. (org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

TEDESCHI, L. A. Os desafios da escrita feminina na história das mulheres. In: Raído, Dourados, MS, v. 10, n. 21, jan./jul. 2016.

WALSH, C.; MIGNOLO, W.; LINERA, G. Interculturalidad, descolonización del Estado y del conocimiento. Buenos Aires: Del Signo, 2006.

ZOLIN, L. O. Crítica feminista. In: BONNICI, Thomas. ZOLIN, Lúcia Osana (orgs.). Teoria literária: abordagens históricas e tendências contemporâneas. 3. ed. Maringá: Eduem, 2009.

Downloads

Publicado

2023-07-18

Como Citar

Elsner Matheus, A. M., Klock, A. M. ., & Dorado Mendez, H. E. . (2023). A tradução como prática decolonial: um espaço de enunciação às vozes esquecidas em Columbus and Beatriz (1892), de Constance Goddard Dubois. A Cor Das Letras, 24(Especial), 8–28. https://doi.org/10.13102/cl.v24i1.9357

Edição

Seção

Dossiê - Ressignificações do passado da América: vias para a descolonização e o pensamento decolonial na literatura e na tradução literária