As Ruínas da Igreja Velha de Itabaiana-SE

Entre História, patrimônio e identidade cultural

Autores

  • Wanderlei de Oliveira Menezes Universidade Federal de Sergipe

DOI:

https://doi.org/10.13102/barh.v1i2.10187

Palavras-chave:

Patrimônio Cultural, Ruína Histórica, Identidade Cultural, Itabaiana - Sergipe

Resumo

Esta pesquisa tem por objeto a história da Igreja Velha de Itabaiana, hoje em ruínas, situada no povoado de mesmo nome, na zona rural de Itabaiana, Sergipe. Estudamos a história desse patrimônio cultural material itabaianenses, procurando compreender o contexto de sua edificação, usos e desusos. Nesse contexto, procuramos inserir a história local dentro desse estudo associada às lendas que giravam entorno das ruínas em tempos remotos. O local onde se encontra atualmente o município de Itabaiana era conhecido no século XVII como Caatinga de Ayres da Rocha. Em 1668, o sítio passa a ser propriedade do Padre Sebastião Pedrosa Góes que o vende à Irmandade das Almas, entidade religiosa fundada em 1665, com a condição de nele ser edificado um templo sob a invocação de Santo Antônio e Almas de Itabaiana. Com isso, a sede municipal é transferida, em 1675, do arraial de Santo Antônio para o terreno adquirido pela irmandade. Esse fato histórico é incorporado à história através da lenda de Santo Antônio fujão, segundo a qual Santo Antônio estava insatisfeito por ter sido colocado em um templo em terreno particular e resolveu fugir rotineiramente e se estabelecer numa quixabeira, até o dia em que lhe construíram uma igreja.  Após isso, a primitiva igreja sofre processo de paulatino desuso. No século passado, começa a ser transformada em patrimônio cultural por seu valor simbólico e histórico para a comunidade itabaianense, ligando-se as origens históricas e lendárias da cidade serrana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2024-01-02

Como Citar

de Oliveira Menezes, W. (2024). As Ruínas da Igreja Velha de Itabaiana-SE : Entre História, patrimônio e identidade cultural. Baraúnas: Revista De História, 1(2), 111–134. https://doi.org/10.13102/barh.v1i2.10187