FILOSOFIA AFRICANA ENTRE ENCONTROS E DESENCONTROS

IDENTIDADE OU RECUSA

Autores

  • Arminda Fernando Filipe ISCED – UÍGE

DOI:

https://doi.org/10.13102/ideac.v1i48.10284

Resumo

RESUMO: Este artigo apresenta uma pesquisa sobre Filosofia Africana. Nosso objectivo é reflectir sobre os conceitos de encontro e desencontro. Ambos são conceitos que postulam identidade ou recusa da África. Com um olhar crítico, torna-se possível reconstruir o sentido identitário dos africanos, mas isso exige uma educação de cidadania contra a corrupção, por ser um mal que enferma o continente considerado «Berço da Humanidade». Pois, a corrupção é um grande desencontro, do ponto de vista de civilidade e cidadania, impede a reconstrução da identidade pura de África. É necessário trazer para o contexto contemporâneo africano o rigor sobre a gestão dos bens que pertencem a todos e se evitar as incongruências na redistribuição da riqueza ou dos recursos financeiros face às políticas sociais dos cidadãos. Pensar desta maneira implica enfrentar o subdesenvolvimento e confrontar-se com as forças antagónicas contra o desenvolvimento de África. É imperiosa necessidade reflectir sobre o sentido identitário e emancipatório dos africanos, a partir da temática Filosofia Africana entre encontros e desencontros: Identidade ou Recusa. Com este tema pretendemos evidenciar a negritude como símbolo de não identidade, uma vez que revela um certo preconceito ligo à raça, encontros e desencontros como sinal de resiliência e persistência, mas também confrontos entre os avanços e recuos, e corrupção como desencontro da reconstrução de África, que desvela a falta de honestidade e civilidade políticas.

PALAVRAS-CHAVE: Encontros; Desencontros; Recusa; Reconstrução; Identidade.

 

ABSTRACT: This article presents research on African Philosophy. Our aim is to reflect on the concepts of encounter and disagreement. Both are concepts that postulate identity or refusal of Africa. With a critical eye, it becomes possible to reconstruct the sense of identity of Africans, but this requires an education in citizenship against corruption, as it is an evil that plagues the continent considered “Cradle of Humanity”. Well, corruption is a big mismatch, from the point of view of civility and citizenship, it prevents the reconstruction of the pure identity of Africa. It is necessary to bring rigor to the management of goods that belong to all to the contemporary African context and to avoid inconsistencies in the redistribution of wealth or financial resources in the face of citizens' social policies. Thinking in this way implies facing underdevelopment and confronting the antagonistic forces against the development of Africa. It is imperative to reflect on the sense of identity and emancipation of Africans, based on the theme of African philosophy between encounters and disagreements: Identity or Refusal. With this theme we intend to highlight blackness as a symbol of non-identity, since it reveals a certain prejudice linked to race, matches and disagreements as a sign of resilience and persistence, but also clashes between advances and setbacks, and corruption as a mismatch in the reconstruction of Africa, which reveals the lack of political honesty and civility.

KEYWORDS: Encounters; Disagreements; Refuse; Reconstruction; Identity.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARTUR, Pina. A Superação do Ser Violento. Luanda: Mayamba, 2012.

_____ O Homem e a Cidadania. Luanda: Mayamba, 2015.

_____ Convergências Dialécticas entre Ética e Política. Luanda: Mayamba, 2018.

BITTAR, E. C. B. A justiça em Aristóteles. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1999.

CAETANO, Siro Francisco, A Pessoa Humana e a Sociedade na Filosofia Política de Jacques Maritain. Roma: LEBERIT, 2002.

ELUNGU, Pene Elungu Alphonse. O Despertar Filosófico em África. Narrativa Traçada, Portugal: Edições, 2014.

FILIPE, Arminda Fernando. ONDJANGO. Filosofia Social e Política Africana. Luanda: ECO7, 2018.

KAJIBANGA, Víctor. Notas sobre a ‘‘problemática’’ da filosofia africana. In: COLOCAR ORGANIZADORES/AS. O que é Filosofia Africana? Lisboa: Escolar Editora, 2015, 11-38.

MAKUMBA, Maurice Muhatia. Introdução à Filosofia Africana. Trad. Mário de Almeida,.Águeda: Paulinas, 2014.

MATUMONA, Muanamosi, Filosofia Africana na linha do tempo. Implicações epistemológicas e práticas de uma ciência moderna. Lisboa: Ed. ESFERA DO CAOS, 2011.

MBEMBE, Achille. Crítica da Razão Negra. Tradução de Marta Lança. Lisboa: Antígona, 2014.

MORLINO, Leonardo (2007), «Estabilidade Política», in Dicionário de Política, vol. 1, 13ª ed., Norberto Bobbio; Nicola Matteucci; Gianfranco Pasquino (coord), Brasília: Editora UnB, 394-401. (REVER COMO CITAR).

NGOENHA, Severino Elias. Terceira Questão. Maputo: Publifix Edições, 2015.

SENGHOR, Léopold Sédar. Liberté I: Négritude et humanisme. Paris: Seuil, 1964.

WIREDU, Kwasi. A Companion to African Philosophy. United Kingdom: Blackwell, 2004.

Downloads

Publicado

2023-11-01