O ESQUEMATISMO EPIDÉRMICO DE FANON E AS VIDAS QUE IMPORTAM

DA GUERRA NA UCRÂNIA AO COTIDIANO BRASILEIRO

Autores

  • Ivo Pereira de Queiroz UFTFPR
  • Ericson Savio Falabretti PUC-PR

DOI:

https://doi.org/10.13102/ideac.v1i48.10310

Resumo

RESUMO: Alarmadas pelos bombardeios russos sobre cidades ucranianas, as massas populares, aterrorizadas, saíram em debandada. Inicialmente, procuravam refúgio nos países vizinhos. Em meio à profusão de relatos sobre os efeitos materiais e emocionais dos ataques, causas e efeitos do conflito, chegaram ao conhecimento público o racismo ucraniano contra pessoas negras. Estas, estavam sendo impedidas de deixar a Ucrânia porque as autoridades decidiram que, primeiramente, deveriam proteger e salvar as pessoas brancas. Algumas semanas antes, na região metropolitana do Rio de Janeiro, um homem negro foi morto pelo vizinho, militar da Marinha, após o atirador achar que se tratava de um assaltante. Naturalizou-se matança de pessoas negras, no Brasil, e os protestos contra esta barbárie são vistos com maus olhos. O que estes episódios, afastados geograficamente por milhares de quilômetros, têm em comum com a fenomenologia do racismo desenvolvida por Frantz Fanon?  A análise desta aproximação será feita através do levantamento de reflexões de Fanon sobre as metafísicas da brancura e da negrura, do esquematismo epidérmico e do racismo cultural.

PALAVRAS-CHAVE: Cultura. Esquema Epidérmico. Fenomenologia. Racismo.

 

ABSTRACT: Alarmed by Russian bombings of the Ukrainian cities, terrified masses of people fled. Initially, sought refuge in the neighboring countries.  Amidst of the profusion of reports about the material and emotional effects of the attacks, causes and effects of the conflict, the Ukrainian racism against black people came to public attention. These were being prevented from leaving Ukraine because the authorities decided they had to protect and save white people first. A few weeks earlier, in the metropolitan region of Rio de Janeiro, a black man was killed by his neighbor, a Navy soldier, after the shooter thought that he was an assailant. The killing of black people has become naturalized in Brazil, and protests about this barbarity are viewed with bad eyes. What does these episodes, geographically separated by thousands of kilometers, have in common with the phenomenology of racism developed by Frantz Fanon? The analysis of this approximation will be done through a survey of Fanon's reflections of the metaphysics of whiteness and blackness, epidermal schematism and cultural racism.

KEYWORDS: Culture. Epidermal Schematism. Phenomenology. Racism.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, Eloísa Benvenutti de. Corpo e consciência: Merleau-Ponty , crítico de Descartes {recurso eletrônico]. Porto Alegre, RS: Fi, 2019.

ANDRADE, Eloísa Benvenutti de. Corpo sensível e natureza na última ontologia de Merleau-Ponty. Tese (Doutorado em Filosofia) – Universidade Federal de São Paulo, Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Guarulhos, 2019. Orientação: Prof. Dr. Alexandre Carrasco.

CHERKI, Alice. Frantz Fanon, Portrait. Paris: Éditions du Seuil septembre 2000 et janvier 2011 pour la postface.

CHERKI, Alice. Frantz Fanon: um retrato. Tradução de Rainer Patriota. São Paulo: Perspectiva, 2022.

CERQUEIRA, Daniel. Atlas da Violência 2021 / Daniel Cerqueira et al., — São Paulo: FBSP, 2021. In: https://forumseguranca.org.br/atlas-da-violencia/

DARTIGUES, André. O que é a fenomenologia? Tradução de Maria José J. G. de Almeida. Rio de Janeiro: Eldorado Tijuca Ltda., 1973.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Tradução de Renato da Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008.

FANON, Frantz. Os condenados da terra. 2. ed. Tradução de José Laurênio de Mello. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1979.

FANON, Frantz. Por uma revolução african a: escritos políticos. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2021.

FANON, Frantz. Racismo e cultura. In: Por uma revolução africana: textos políticos. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2021, pp.69-84.

FANON, Frantz. Racismo e cultura. Editora Terra sem Amos: Brasil, 2021.

GEISMAR, Peter. Fanon. Tradução de Marta Mastrogiacomo. Buenos Aires: Granica, 1972.

GELEDÉS. UFMG realiza evento sobre I Congresso de Escritores e Artistas Negros. 29/10/2015. Disponível em: https://www.geledes.org.br/ufmg-realiza-evento-sobre-i-congresso-de-escritores-e-artistas-negros/. Acesso em 16mar2023.

IDDD DATA_LABE. “Por que Eu”. São Paulo, 2022. In: https://datalabe.org/relatorio-por-que-eu/

MARTINS, Leonardo. 'Negros deveriam andar': imigrantes relatam racismo ao fugir da Ucrânia...” Disponível em: https://noticias.uol.com.br/internacional/ultimas-noticias/2022/03/03/imigrantes-dificuldades-ucrania-russia.htm?cmpid=copiaecola. Acesso em 07mar2022.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. 5.ed. Tradução de Carlos Alberto Ribeiro de Moura. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2018.

MERLEAU-PONTY, Maurice. A Estrutura do comportamento. São Paulo: M. Fontes, 2006.

PODER360. Entenda a guerra na Ucrânia em infográficos. Disponível em: https://www.poder360.com.br/brasil/entenda-a-guerra-na-ucrania-em-infograficos/. Acesso em 07mar2022.

RIBEIRO, Darcy. Sobre a mestiçagem no Brasil. In: SCHWARCZ, Lilia Moritz; QUEIROZ, Renato (Orgs.). Raça e diversidade. São Paulo: EDUSP, 1996.

ROCHA, Mateus. Militar da Marinha mata homem negro e diz tê-lo confundido com bandido. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2022/02/militar-da-marinha-mata-homem-negro-e-diz-te-lo-confundido-com-bandido.shtml. Acesso em 07mar2022.

YASBEK, Mustafa. A revolução argelina. São Paulo: Ed. UNESP, 2010.

Downloads

Publicado

2023-11-01