CONTINENTES DA FILOSOFIA, ORNITORRINCO E O PENSAMENTO DECOLONIAL

Autores

  • Harald Pinheiro UFAM

DOI:

https://doi.org/10.13102/ideac.v1i48.9229

Resumo

Discutir as diversas razões do Epistemicídio e do colonialismo europeu, bem como apresentar importantes registros e configurações da filosofia africana. A metáfora do ornitorrinco é analisada aqui sob o prisma do pensamento decolonial. Na mesma perspectiva que esse animal desmoronou conceitos, experimentações já consagradas das ciências da natureza nos séculos XVII e XVIII, não conseguiu se adequar às categorias de ordem e espécie, o mesmo ocorre no sentido da literatura e do pensamento decolonial, ao estremecer os alicerces das ciências humanas na atualidade. Por fim, desconstruir as razões de hostilidade entre o pensameto grego e africano em suas bases essenciais na origem do filosofar.

Palavras-Chave: Pensamento decolonial, geofilosofia, epistemicídio, filosofia africana

Abstract

Discuss the various reasons for Epistemicide and European colonialism, as well as present important records and configurations of African philosophy. The platypus metaphor is analyzed here from the perspective of decolonial thinking. In the same perspective that this animal collapsed concepts, already consecrated experiments of the natural sciences in the 17th and 18th centuries, it was unable to adapt to the categories of order and species, the same occurs in the sense of literature and decolonial thought, when shaking the foundations of human sciences today. Finally, deconstruct the reasons for hostility between Greek and African thought in its essential bases in the origin of philosophizing.

Keywords: Decolonial thought, geophilosophy, epistemicide, African philosophy.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BLAUNDE, José. A filosofia do conhecimento científico de Gaston Bachelard: uma urgência para a epistemologia africana? Maputo: Editora UEM, 2018.

PETER, Burke. Uma História Social do Conhecimento: de Gutenberg a Diderot. Tradução de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

CASTIANO, José. Referenciais da Filosofia Africana: em busca da intersubjetivação. Maputo, Ndjira, 2010.

CATHCART, Thomas. KLEIN, Daniel. Platão e um Ornitorrinco entram num Bar: a filosofia explicada com senso de humor. Tradução de José Rubens Siqueira. São Paulo: Objetiva, 2008.

DELEUZE, Gilles. GUATTARI, Félix. O que é Filosofia? Tradução de Bento Prado Jr e Alberto Alonso Muñoz. Rio de Janeiro: Editora 34, 1992.

ECO, Umberto. Kant e o Ornitorrinco. Tradução de Ana Thereza Vieira. São Paulo – Rio de Janeiro: Record, 1998.

FANON, Frantz. Em defesa da revolução africana. Portugal: Terceiro Mundo, 1980.

FANON, Frantz. Os Condenados da Terra. Tradução de Lígia Fonseca Ferreira e Regina Salgado Campos. Rio de Janeiro: Zahar, 2022.

HEGEL, Georg Wilhelm. Filosofia da História. Tradução de Maria Rodrigues e Hans Harden. Brasília: UNB, 1999.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O pensamento Selvagem. Tradução de Maria Celeste da Costa e Souza e Almir de Oliveira Aguiar. São Paulo: EDUSP, 1970.

MAKUMBA, Maurice. Introdução à filosofia africana: passado e presente. Luanda: Paulinas, 2014.

NGOENHA, Severino Elias. Filosofia Africana: das independências às liberdades. Maputo: Edições Paulinas, 1993.

SANTOS, Boaventura de Souza. A Crítica da Razão Indolente. Contra o Desperdício da Experiência. São Paulo: Cortez, 2001.

TOWA, Marcien. A ideia de uma filosofia negro-africana. Trad: Roberto Jardim da Silva. Belo Horizonte: NEAB-UFPR, 2015.

Downloads

Publicado

2023-11-01