Nas trilhas da fraseologia a partir de dados orais de natureza linguística

Autores

  • Marcela Moura Torres Paim

DOI:

https://doi.org/10.13102/cl.v22iEsp..7477

Palavras-chave:

Variação lexical, Projeto ALiB

Resumo

Este trabalho é um produto do Projeto VALEXTRA (Variação lexical: teorias, recursos e aplicações): do condicionamento lexical às construções pragmáticas, convênio CAPES/COFECUB 838/15, celebrado entre a Universidade Federal da Bahia e a Universidade Paris 13 (Laboratoire Lexiques, Dictionnaires, Informatique), e apresenta resultados de investigação sobre a Fraseologia com base nos dados do Projeto Atlas Linguístico do Brasil (ALiB). Busca-se, a partir do material coletado na pesquisa, apresentar os fraseologismos nas entrevistas dos informantes, oriundos das capitais brasileiras, estratificados por sexo – homem e mulher – faixa etária – de 18 a 30 anos e de 50 a 65 anos – e nível de escolaridade – fundamental e universitário. A Fraseologia está sendo aqui concebida como o fenômeno da linguagem que se exprime através de associações sintagmáticas recorrentes (MEJRI, 1997). Parte-se do princípio de que as unidades fraseológicas são combinações de unidades léxicas, relativamente estáveis, com certo grau de idiomaticidade, formadas por duas ou mais palavras, que constituem a competência discursiva dos falantes, em língua materna, segunda ou estrangeira, utilizadas convencionalmente em contextos precisos, com objetivos específicos, como, por exemplo, as respostas que se obtém para a questão referente ao filho mais moço “Como se chama o nome do filho que nasceu por último ?” – fim de rama, ponta de rama, raspa de tacho. No que diz respeito aos fraseologismos analisados, podem-se fazer algumas considerações: as criações lexicais pesquisadas contemplam a polilexicalidade; as unidades fraseológicas refletem uma expressão cristalizada, cujo sentido geral não é literal. Assim, as designações enfocadas possibilitam a documentação da diversidade lexical do português falado no Brasil, seguindo os princípios da Geolinguística Pluridimensional.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Referências

CARDOSO, Suzana Alice Marcelino et al. Atlas linguístico do Brasil, v. 1. Londrina: Ed. UEL, 2014a.

CARDOSO, Suzana Alice Marcelino et al. Atlas linguístico do Brasil, v. 2. Londrina: Ed. UEL, 2014b.

CHAMBERS, J. K.; TRUDGILL, Peter. La dialectología. Tradução de Carmen Morán González. Madrid: Visor Libros, 1994.

COMITÊ NACIONAL. Atlas Lingüístico do Brasil. Questionários. Londrina: Ed. UEL, 2001.

MEJRI, Salah. Délimitation des unités phraséologiques. In: ORTIZ ALVAREZ, M. L. (Org.). Tendências atuais na pesquisa descritiva e aplicada em fraseologia e paremiologia. V.1. Campinas, SP: Pontes Editores, 2012. p. 139-156.

MEJRI, Salah. Possibles de langues, possibles de discours: entre (dé)figement et traduction. In: HUERTA, Pedro Mogorron; MEJRI, Salah. Figement, traduction, variation, défigement. Alicante: Alicante, 2011. p.187-202.

MEJRI, Salah. Le figement lexical: descriptions linguistiques et structuration sémantique. Manouba: Publications de la Faculté des Lettres de la Manouba, 1997.

PAIM, Marcela Moura Torres; SFAR, Inès; MEJRI, Salah. Nas trilhas da Fraseologia a partir de dados orais de matureza geolinguística. Quarteto: Salvador, 2018.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de lingüística geral. Tradução de Antônio Chelini, José Paulo Paes e Izidoro Blikstein. 27. ed. São Paulo: Cultrix, 2006 [1916].

SFAR, Inès; MEJRI, Salah. Langue et culture: problématique théorique. Estudos Linguísticos e Literários. Salvador, n. 60, p. 7-17, 2018.

Downloads

Publicado

2021-10-18

Como Citar

Paim, M. M. T. . (2021). Nas trilhas da fraseologia a partir de dados orais de natureza linguística. A Cor Das Letras, 22(Esp.), 171–185. https://doi.org/10.13102/cl.v22iEsp.7477