Elementos para uma análise grafemática de tempos pretéritos: uma experiência metodológica aplicada a um manuscrito oitocentista

Autores

  • Adilson Silva UFBA

DOI:

https://doi.org/10.13102/cl.v24i2.10173

Palavras-chave:

Experiência metodológica. Estudo grafemático. Livro de Razão. Evidências metalinguística. Ortografia pendular

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar uma experiência metodológica, pautada no estudo grafemático da representação dos fonemas /z/, /s/ e /ʃ/,   a partir da edição semidiplomática do Livro de Razão do Campo Seco, manuscrito produzido entre 1794 e 1838, por três pessoas da família Pinheiro Canguçu (Antônio Pinheiro Pinto, Inocêncio José Pinheiro Pinto e Miguel Joaquim de Castro Mirante[1]) em Bom Jesus dos Meiras, atual cidade de Brumado. Para tanto, caracterizamos , brevemente, o manuscrito, definindo-o, destacando o suporte material  e o perfil dos principais scriptores - Antônio Pinheiro Pinto, Inocêncio José Pinheiro Pinto. Em seguida, demostramos como o conhecimento da história da ortografia portuguesa e o conjunto de evidências metalinguísticas da época do documento, além da identificação do grau de escolarização dos scriptores, são fatores essenciais para a análise grafemática de tempos pretéritos. Os resultados obtidos revelam que os scriptores do Campo Seco espelham no Livro de Razão uma produção gráfica semelhante ao que circulava nos jornais, dicionários e cartas de letrados ilustres consultados. Os dados reforçam a hipótese de ortografia pendular defendida por  Barbosa (1999) e descontroem a ideia de que os senhores o Campo Seco tinham pouca escolarização, já que possuíam pouco conhecimento linguístico, conforme Santos Filho (2012).

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

AGUILERA, Vanderci de Andrade. Aspectos fonético-fonológicos e sistema ortográfico da língua portuguesa: interferências no binômio ensino-aprendizagem da escrita. In: AGUILERA, Vanderci de Andrade (org). Diversidade fonética no Brasil. Londrina: Editora UEL, 1997.

BARBOSA, Afrânio Gonçalves. Fontes escritas e história da língua portuguesa no Brasil: as cartas de comércio no século XVIII. In: LIMA, Ivana Stolze; CARMO, Laura do (org.). História social da língua nacional. Rio de Janeiro: Edições Casa de Rui Barbosa, p. 181- 211, 2008. Disponível em http://www.casaruibarbosa.gov.br/dados/DOC/artigos/aj/

BARBOSA, Afrânio Gonçalves. Para uma história do português colonial: aspectos linguísticos em cartas do comércio. 1999. Tese (Doutorado em Língua Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1999.

BLUTEAU, R. Vocabulario portuguez & latino: aulico, anatomico, architectonico ... Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesus, 1712 - 1728. 8 v

CARNEIRO, Zenaide de Oliveira Novais. Cartas brasileiras (1809-1904): um estudo linguístico-filológico. 2005. 4 v. 2.329 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo, 2005.

FRANCO, Maria Ignez Salgado de Mello. Primeira metade do século XIX: em busca da identidade nacional: Frei Joaquim do Amor Divino e Caneca. In BASTOS, Neusa Barbosa; PALMA, Dieli Versaro. História Entrelaçada: a construção de gramáticas e o Ensino da Língua Portuguesa no Brasil do século XVI ao XIX. Rio de Janeiro: Editora Lucerna, 2004.

FREITAS, M. H. A. Considerações acerca dos primeiros periódicos científicos brasileiros. Ciência da Informação, v. 35, p. 54-66, 2006.

GAZETA do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro – 1808-1822. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/docreader.aspx?bib=749664&pagfis=1. Acesso em: mar. 2021.

IDADE D’Ouro do Brasil. Salvador – 1811-1823. Disponível em: http://memoria.bn.br/docreader/DocReader.aspx?bib=749940&pagfis=1. Acesso em: mar. 2021.

LIMA, Alexandre Xavier. Descrição da ortografia portuguesa: a inserção do princípio etimológico na prescrição e na prática gráficas oitocentistas. 2014. 525f. Tese (Doutorado em Letras Vernáculas) – Programa de Pós-graduação em Letras Vernáculas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

MARQUILHAS, R. A faculdade das letras. Leitura e escrita em Portugal no século XVII. Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2000.

MORAES SILVA, A. Diccionario da língua portugueza - recompilado dos vocabularios impressos ate agora, e nesta segunda edição novamente emendado e muito acrescentado, por Antonio de Moraes Silva. Lisboa: Typographia Lacerdina, 1789. Disponível em: http://dicionarios.bbm.usp.br/pt-br/dicionario/edicao/2.

O PATRIOTA: Jornal literário, político, mercantil. Rio de Janeiro – 1813-1814. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/docreader.aspx?bib=700177&pagfis=1. Acesso em: mar. 2021.

SANTOS FILHO, L. Uma comunidade rural do Brasil antigo: aspectos da vida patriarcal no Sertão da Bahia, nos séculos XVIII e XIX. Feira de Santana: Salvador: UEFS: Fundação Pedro Calmon, 2012.

SANTOS, Jorge Viana; BRITO, Giovane Santos. Fotografia técnica de documentos para a formação de corpora digitais eletrônicos: o método desenvolvido no Lapelinc. Letras & Letras, v. 30, n. 2, p. 421, 30 jul./dez. 2014.

SILVA PINTO, L. M. da. Diccionario da Lingua Brasileira. Ouro Preto: Typographia de Silva, 1832. Disponível em: http://dicionarios.bbm.usp.br/pt-br/dicionario/edicao/2.

SILVA, Ana Paula Araújo. Breve história da ortografia portuguesa: períodos, reformas e acordos. Revista de Villegagnon, p. 58-62, 2009.

SILVA. Adilson. O Sertão por escrito no Livro de Razão: um microcosmo sócio-histórico e linguístico da Bahia rural oitocentista. 2021. 2 v. Tese (Doutorado em Língua e Cultura) – Programa de Pós-Graduação em Língua e Cultura, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2021.

STEPHANOU, M.; BASTOS, M. H. C. (org.). Histórias e memórias da educação no Brasil: século XIX. Petrópolis: Vozes, 2005. v. 2.

XIMENES, E. E. ; SANTIAGO-ALMEIDA, M. M. Variações gráficas em um documento do século XVII. Revista da Abralin, v. 16, p. 503-520, 2017.

Downloads

Publicado

2024-04-04

Como Citar

Silva, A. (2024). Elementos para uma análise grafemática de tempos pretéritos: uma experiência metodológica aplicada a um manuscrito oitocentista. A Cor Das Letras, 24(2). https://doi.org/10.13102/cl.v24i2.10173