Literatura infantil e juvenil brasileira híbrida de história e ficção: entre a tradição apologética e a ressignificação descolonizadora

Autores

  • Fernanda Sacomori Candido Pedro Unioeste- Cascavel
  • Laurênia Souto Sales Universidade Federal da Paraíba
  • Matilde Costa Fernandes de Souza Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Margarida da Silveira Corsi Universidade Estadual de Maringá

DOI:

https://doi.org/10.13102/cl.v24iEspecial.9339

Palavras-chave:

Narrativas híbridas de história e ficção infantis e juvenis. Formação do leitor literário. Romance histórico contemporâneo de mediação. Colonialidade. Descolonialidade.

Resumo

Neste artigo discutimos sobre a formação do leitor literário, pois acreditamos que formar um leitor crítico, na sociedade hodierna latino-americana, é condição imprescindível para o cultivo do pensamento descolonial. Entendemos que somente uma formação dessa natureza pode conduzir os sujeitos aos rumos da descolonização das mentes, das identidades e do imaginário, territorializados pelo colonialismo (FLECK, 2017). Diante disso, buscamos, neste artigo, analisar como as narrativas híbridas de história e ficção infantis e juvenis brasileiras sobre o período colonial podem contribuir nesse processo. Para isso, analisamos as obras Descobrindo o Brasil (2000), de Julita Scarano, e Os estrangeiros (2012), de Marconi Leal. Para alcançar o intento, utilizamo-nos dos estudos de Mendonza Fillola (1994), Zucki (2015), Fleck (2017), Mignolo (2017), entre outros. A partir da análise empreendida, compreendemos a necessidade da escolha crítica por parte do professor em relação às obras indicadas para a leitura dos alunos, para que estes possam vivenciar uma prática descolonizadora na escola.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Fernanda Sacomori Candido Pedro, Unioeste- Cascavel

    Possui graduação em Letras, pela Faculdade de Ciências Aplicadas de Cascavel (2009); Pedagogia, pela Universidade Estadual do Centro-Oeste - Unicentro (2012).
    Especialização em Educação Especial: atendimento às necessidades especiais, pela Faculdades Integradas do Vale do Ivaí - UNIVALE (2010). É Mestre em Letras pelo
    Mestrado Profissional em Letras (PROFLETRAS), da Universidade do Oeste do Paraná – Unioeste/Cascavel-PR.(2020) Doutoranda em Letras pela Universidade do Oeste do
    Paraná - Unioeste. É professora do Ensino Fundamental na Secretaria Municipal de Educação de Cascavel - Paraná e, também, na Secretaria de Educação do Estado do
    Paraná. Tem experiência na área de educação como professora, coordenadora pedagógica, direção escolar na educação básica, atuando principalmente nos seguintes temas:
    Ensino de Língua Portuguesa, Literatura Brasileira e Literatura Comparada.. Membro do grupo de pesquisa "Ressignificações do passado na América: processos de leitura,
    escrita e tradução de gêneros híbridos de história e ficção - vias para a descolonização". ORCID ID https://orcid.org/0000-0001-6810-9895. ID AAE-9593-2021.

  • Laurênia Souto Sales, Universidade Federal da Paraíba

    Doutora em Linguística pelo Programa de Pós-Graduação em Linguística (PROLING) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Docente do Departamento de Letras da UFPB. Docente do Programa de Pós-Graduação em Linguística (PROLING) e do Programa de Mestrado Profissional em Letras (PROFLETRAS). Membro do Grupo de Estudos em História da Cultura Escrita (GEHCE). E-mail: laureniasouto@gmail.com

  • Matilde Costa Fernandes de Souza, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

    Doutoranda em Letras pela Universidade do Oeste do Paraná – Unioeste. Docente na rede municipal e estadual de Cascavel – Paraná. Membro do grupo de pesquisa "Ressignificações do passado na América: processos de leitura, escrita e tradução de gêneros híbridos de história e ficção - vias para a descolonização". E-mail: mcfernandes76@gmail.com

  • Margarida da Silveira Corsi, Universidade Estadual de Maringá

    Doutora em Letras pela Universidade Estadual Júlio Mesquita filho. Docente da Universidade Estadual de Maringá. Membro do grupo de pesquisa “Ressignificações do passado na América: processos de leitura, escrita e tradução de gêneros híbridos de história e ficção – vias para a descolonização”. E-mail: mscorsi@uem.br

Referências

Livros:

COUTINHO, E. Literatura Comparada na América Latina: ensaios. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 2003.

FILLOLA, Mendonza Antonio. Literatura comparada e intertextualidad. Madrid: Editorial La Muralla, S.A., 1994.

FLECK, G. F.O romance histórico contemporâneo de mediação: entre a tradição e o desconstrucionismo – releituras críticas da história pela ficção. Curitiba: CRV, 2017.

FLECK, G. F. Imagens da América: representações, expressões, resistências. Curitiba: CRV, 2020.

GENETTE, Gérard. O discurso da narrativa. Tradução de Fernando Cabral Martins. 3. Ed. Lisboa: Veja, 1995.

JAUSS, H. R. A história da literatura como provocação à teoria literária. São Paulo: Ática, 1994.

JOUVE, V. A leitura. São Paulo: Unesp, 2002.

LEAL, M. Os estrangeiros. PNLD Literário. Ilustrações de Dave Santana. 2.ed. São Paulo: Editora 34, 2012.

QUIJANO, A. Modernidad, identidad y utopia en America Latina. Lima: Sociedad y Política, Ediciones, 1988.

SANTIAGO, S. Uma literatura nos trópicos: ensaios sobre dependência cultural. São Paulo: Perspectiva; Secretaria da Cultura, Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo, 1978.

SCARANO, J. Descobrindo o Brasil. São Paulo BEÍ Comunicação, 2000.

SILVA, E. T. Leitura na escola e na biblioteca. 3.ed. Campinas, SP: Papirus, 2005.

TODOROV, T. A Conquista da América. A Questão do Outro. São Paulo: Ed. Martins Fontes,1983

Capítulos de livros:

CASTRO-GÓMEZ, S; GROSFOGUEL R. El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar, Bogotá, 2007.

ISER, W. A interação do texto com o leitor. In: ISER, W. A Literatura e o leitor: textos de estética de recepção. Tradução de Luiz Costa Lima. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

SHARPE, J. A história vista de baixo. In. BURKE, Peter (org.). A escrita da história: novas perspectivas. Tradução Magda Lopes. São Paulo: Unesp, 1992, p. 39-62.

SOARES, M. A escolarização da literatura infantil e juvenil. In: EVANGELISTA, Aracy Alves Martins (Org.); BRANDÃO, Heliana Maria Brina (Org.); MACHADO, Maria Zélia Versiani (Org.). A escolarização da leitura literária: o jogo do livro infantil e juvenil. Belo Horizonte: Autêntica, 1999. p. 17-48.

Artigos em periódicos:

FLECK, G. F. Ensino de literatura e a formação do leitor literário na escola: dos primeiros passos à vida. Revista A cor das Letras (Feira de Santana). v. 20, n. 2, p. 85-103, out-dez., 2019.

GROSFOGUEL, R. La descolonización de la economía política y los estudios postcoloniales: transmodernidad, pensamiento fronterizo y colonialidad global. Tabula Rasa, n. 4, enero-junio, p. 17-46, 2006.

MIGNOLO,. Colonialidade e o lado mais escuro da modernidade. Tradução de Marco Oliveira Duke University, Durham, NC, EUA. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), Rio de Janeiro. Revista brasileira de Ciências Sociais. v. 32, n° 94, p. 1-18, 2017a.

MIGNOLO, W. Desafios decoloniais hoje. Epistemologias do Sul, Foz do Iguaçu. Paraná., v1 n1, p. 12-32, 2017b.

Documentos eletrônicos:

CAMARGO, M. R; CORRÊA, R. N. D.; SANTOS, V. P. Tumbu (2007): da liberdade na África à escravidão no Brasil – ressignificações do passado escravagista pela literatura híbrida juvenil e a formação do leitor consciente: Revista EntreLetras (Araguaína). v.12. n.3. p. 190-209. Set./Dez. 2021. Disponível em: https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/entreletras/article/view/13710/19782. Acesso em: 13 mar 2023.

FANT, C. C. S.; OLIVEIRA, M. S.; SILVA, R. S. Ressignificações do passado pela literatura híbrida juvenil: A assinatura da Lei Áurea: “libertação” dos escravos no Brasil-Oficinas literárias: Revista EntreLetras (Araguaína). v.12. n.3. p. 153-171. Set./Dez.2021. Disponível em: https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/entreletras/article/view/13331/19781. Acesso em: 13 mar 2023.

FANT, C.C. S.; FLECK, G. F.; LOPEZ, C. J. L.. Formação do leitor literário no ensino Fundamental: uma experiência com “o Mundo encantado das fadas”. Revista Pontos de Interrogação, v. 10, n. 1, jan.-jun., p. 65-82, 2020. Disponível em: https://www.revistas.uneb.br/index.php/pontosdeint/article/view/9327/6160. Acesso em: 13 mar 2023.

FLECK, G. F; PEDRO, F. S. C.; SANTOS, V. P.; SOUZA, M. C. F. Oficinas literárias temáticas: uma metodologia para a formação do leitor literário e a implementação da interdisciplinaridade no ensino fundamental – anos finais. Revista Primeira escrita, v. 9, n. 2, p. 41-53. 2022. Disponível em: https://periodicos.ufms.br/index.php/revpres/article/view/16444/12523. Acesso em: 13 mar 2023.

PEDRO, F. S. C.; FLECK, G. F.; SANTOS, V. P. Os estrangeiros (2012), de Marconi Leal: a formação do leitor literário consciente - entre a história e a literatura. Revista de Letras Juçara. Maranhão, v. 06, n. 01, p.666 - 681, jul. 2022. Disponível em: https://ppg.revistas.uema.br/index.php/jucara/article/view/2814/2074. Acesso em: 23 mar.2023

Trabalhos acadêmicos:

KLOCK, A. M. O romance histórico no contexto da nova narrativa latino-americana (1940): dos experimentalismos do boom à mediação do pós-boom – histórias da outra margem. 2021. 324 f. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE, Cascavel, 2021.

ZUCKI, R. Letramento literário: práticas de leitura do texto literário nos anos iniciais do ensino fundamental. 159 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Letras) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE, Cascavel, 2015. Disponível em: https://tede.unioeste.br/handle/tede/932. Acesso em: 13 mar 2023.

Downloads

Publicado

2023-07-18

Edição

Seção

Dossiê - Ressignificações do passado da América: vias para a descolonização e o pensamento decolonial na literatura e na tradução literária