Ensino de literatura e a formação do leitor literário na escola: dos primeiros passos à vida

Gilmei Francisco Fleck

Resumo


Procuramos refletir neste texto sobre a importância da formação do leitor, especialmente do leitor literário, no espaço institucional escolar. Essa formação no nosso contexto de ex-colônia significa passos necessários ainda à descolonização. Sabemos que a presença da Literatura no espaço do Ensino Fundamental não está garantida pela instituição de uma disciplina específica, ficando, assim, sob a responsabilidade dos professores a decisão de incluí-la, ou não, no reportório de leitura dos alunos. O texto literário, por ser de natureza aberta, é um dos modos mais eficazes de confrontar o aluno com as múltiplas possibilidades de manipulação da linguagem. A escola historicamente foi usada como canal para manter muitos dos princípios da colonização ativos e em ação na nossa sociedade, contribuindo para a manutenção da estratificação social e a elitização do aprendizado das habilidades de leitura e escrita. Frente a essa realidade procuramos expor a importância da mediação do professor no processo de leitura do texto literário como uma via privilegiada para a descolonização. Desse modo, a alfabetização precisa ir além da decodificação proficiente dos signos linguísticos e promover o entendimento de que a simbolização feita pela linguagem é um processo manipulável. Nesse sentido, o texto literário é o meio mais produtivo e um excelente caminho para mostrar isso aos estudantes, pela sua natureza artística e lúdica.


Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, I. Língua, Texto e Ensino: outra escola possível. São Paulo: Parábola, 2009.

CAGLIARI, L. C. Alfabetização e linguística. São Paulo: Scipione, 2005. (Coleção Pensamento e Ação no Magistério).

CAGLIARI, L. C. Alfabetização & Lingüística. São Paulo: Scipione, 1992.

CAGLIARI, L. C. Alfabetizando sem o ba-be-bi-bo-bu. São Paulo: Scipione, 1998.

CANDIDO, A. A literatura e a formação do homem. São Paulo: Ciência e Cultura, v. 24, n. 9, p. 803-809, 1972.

CANDIDO, A. O direito à literatura. In: Vários escritos. (4.ed. reorg. pelo autor). São Paulo: Duas Cidades, 2004.

CANDIDO, A. Direitos humanos e literatura. In.: FESTER, A. C. Ribeiro e outros. São Paulo: Brasiliense, 1989.

CANDIDO, A. O direito à literatura. In: Vários escritos. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2011.

COLOMER, T. Andar entre livros: a leitura literária na escola. São Paulo: Global, 2007.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. 6.ed. São Paulo: Hucitec, 1992.

BORDINI, M.G.; AGUIAR, V. T. de. A formação do leitor: alternativas metodológicas. Porto Alegre: Mercado Alegre, 1988.

ESTEVES, A. R. O romance histórico brasileiro contemporâneo (1975-2000). São Paulo: Ed. UNESP, 2010.

FLECK, G. F. Formação do Leitor: um projeto socioeducacional – uma trajetória para a vida cidadã. In: FLECK, G. F. (Org.). Literatura Infantojuvenil: desafios para o letramento literário – pesquisas e experiências no âmbito escolar. Curitiba: CRV, 2017.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 36.ed. Rio de Janeiro: Edições Paz e Terra, 2003.

GERALDI, J, W. Portos de Passagem. 4.ed., São Paulo: Martins Fontes, 1997.

GERALDI, J, W. O texto na sala de aula (Org.). São Paulo: Ática, 2006.

GONÇALVES, R. CAZZARAI, M.P. (orgs.) Ler acima de todas as coisas. In: Língua e literaturas: perspectivas de ensino. Guarapuava: UNICENTRO, 2009.

MARTINS, M. H. O que é Leitura. 19º ed., São Paulo: Brasiliense, 2012.

MONTES, G. La frontera indómita: en torno de la construcción y defensa del espacio poético. Buenos Aires: F.C.E., 2001.

OSÓRIO, L. B. Y. La promoción de la lectura en tiempos aciagos y el pequeño cuchillo de La bibliotecária Chun Li. In Aportes para la promoción de la literatura y la lectura. Maén Puerta (compilación). Facultad de Humanidades y Educación y El Consejo de Publicaciones de La Universidad de Los Andes. Venezuela: Mérida, 2010.

PAES DE BARROS, C. G. Compreensão ativa e criadora: uma proposta de ensino-aprendizagem de leitura do jornal impresso. Tese de doutorado apresentada ao LAEL da PUC São Paulo, 2005. Disponível em www.pucsp.br/pos/lael/lael-inf/ def_teses.html.

RAMALHO, B. L.; NUÑEZ, I. B.; GAUTHIER, C. Formar o professor, profissionalizar o ensino: perspectivas e desafios. 2.ed. Porto Alegre: Sulinas, 2004.

SAVIANI, D. Formação de professores: aspectos históricos e teóricos do problema no contexto brasileiro. In: Revista Brasileira de Educação, v. 14, n. 40, p. 143-155, 2009.

SILVEIRA, M. I. M. . Modelos Teóricos e Estratégias de Leitura: suas implicações no ensino. Maceió: EDUFAL, 2005.

SILVA, I. M. M. Literatura em sala de aula: da teoria literária à prática escolar. Recife: Programa de Pós-Graduação em Letras da UFPE, 2005.

SOARES, M. Letramento. Belo Horizonte: Autêntica, 1998.

TURCHI, M. Z.; SILVA, V. M. T (Org.). Leitor formado, leitor em formação – leitura literária em questão. São Paulo: Cultura Acadêmica; Assis: ANEP, 2006.

VARGAS LLOSA, M. La verdad de las mentiras. Buenos Aires, Aguilar, Altea, Taurus, Alfaguara, S/A, 2002.

VIGOTSKI, L. S. Psicologia e Pedagogia II: investigações experimentais sobre problemas didáticos específicos. v. 2. Lisboa: Biblioteca de Ciências Pedagógicas – Ed. Estampa, 1977.

ZILBERMANN, R. Estética da recepção e história da literatura. São Paulo: Ática, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.13102/cl.v20i2.4919

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Universidade Estadual de Feira de Santana

A Cor das Letras está indexada em: 
 
 

A Revista A Cor das Letras está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

ISSNe 2594-9675 
ISSN-L 1415-8973